terça-feira, 12 de maio de 2009

Gold Marathon Carlos Lopes 2

Boas…

Cá estou no dia seguinte da minha 2ª maratona, a 5ª Gold Marathon Carlos Lopes… O que mais tenho ouvido por estes dias é que “esta maratona tem condições para ter muito mais sucesso” … de facto concordo e o que há a melhorar é muito mais simples do que possa parecer. Ponto de partida: não se pode ser indiferente aos atletas que querem preparar e participar num evento destes (apesar do Carlos Lopes – e a Rosa Mota – fazerem a parte deles ao apoiarem de forma convicta todos os participantes no decorrer do evento).
As minhas sugestões:
  1. É imprescindível que o site tenha informação actualizada e fidedigna (pelo menos desde 9 meses antes da realização do evento) uma vez que é o principal meio de acesso a esta informação, nomeadamente os eventuais participantes estrangeiros (devendo haver alguém a responder rapidamente a todos os contactos via e-mail);
  2. Provas simultâneas à maratona (idealmente uma Meia-maratona e caminhada) que mobilizem a população e a cidade para o evento;
  3. Deve ser dado o apoio básico no dia do evento, isto é:
  • (a) transportes (que inclui a coordenação entre transportes públicos e o evento ou a adaptação do evento aos horários dos transportes públicos - ver relato abaixo);
  • (b) abastecimentos (sólidos e líquidos) cada 5 Km na 1ª Meia-maratona e cada 2,5 Km na 2ª Meia-maratona;
  • (c) orientações/informações para os participantes em prova, com a marcação cuidada da quilometragem e dos locais de abastecimento/wc.

Atenção que o Carlos Lopes, a Rosa Mota a Aurora Cunha e outros/as merecem tudo, pelo que fizeram por todos nós e pelo que fazem pelos que se aventuram nesta e noutras maratonas.

Se é verdade que esta maratona poderia ter muito mais gente, também é verdade que com tão pouca gente teve características únicas. Nunca participei numa grande maratona internacional (antes desta, a minha única maratona tinha sido a 5ª Maratona do Porto, que teve cerca de 800 atletas no final, em que mais de 50% eram estrangeiros), mas já estive no meio de eventos com grandes massas de pessoas, como foi o caso da recente Meia-maratona da Ponte 25 de Abril (2009), que teve cerca de 35.000 participantes, ou da corrida do dia do pai (no Porto) com cerca de 15.000… De facto, comparando a maratona Carlos Lopes com estes eventos, mais parecíamos um grupo de amigos que se tinham juntado para fazer uma maratona, em que o percurso estava com o trânsito cortado, bem policiado e em que ainda estávamos combinados com alguns parceiros de corrida e familiares que nos foram ver/acompanhar/apoiar… Pareceu-me tanto uma maratona de um grupo de amigos, que o facto de ninguém (residentes e turistas) parecer saber da sua realização, tal foi a insignificância da divulgação, parecia deixar toda a gente surpreendida com o grupo de “maluquinhos que tinham conseguido cortar o transito para fazer uma corrida”… Ao ponto de ser fácil para nós, maratonistas, ver os olhares de surpresa-questionamento-indiferença (dos residentes) ou de surpresa-questionamento-apoio (dos turistas)… Estas circunstâncias pareceram-me ter criado condições únicas para esta maratona/experiência… A minha história de corridas é curta, mas houve algo de pouco provável que eu vivi neste evento. Conversei com muitos parceiros maratonistas, percorri zonas desertas de transeuntes e automóveis num Domingo de manhã em Lisboa, atravessei a baixa com os “tais” olhares surpreendidos e, no meio disto tudo, o maior grupo de apoiantes que encontrei foi os dos R4F (organizados no apoio aos diversos participantes) e o meu grupo de apoiantes que incluiu a minha mulher, filho, cunhada Filomena e respectivo Pedro… na meta, ainda lá estavam a prima Ana, o respectivo (outro) Pedro e a Ana Rita (filha)… apetece dizer “e esta humm!”


Mas vamos lá tentar o relato do meu ponto de vista maratonista:

Como tenho família em Lisboa, tinha combinado há muito este fim-de-semana. Na véspera dediquei-me ao convívio e à alimentação (acabei por conversar um pouco com o Pedro sobre as questões da alimentação – ele também tem a sua pancada pelo desporto – e, mesmo sendo eu iniciado, havia convergência entre as ideias dele e as minhas intenções/informações recolhidas). Antes disto tudo, pela manhã, fui levantar o dorsal onde fui informado da existência de um autocarro do Casino de Lisboa para o Casino do Estoril às 7 horas da manhã. No entanto, disse que iria de metro/comboio, tendo confirmado que poderia utilizar os transportes públicos com o dorsal...

Nesse dia deitei-me próximo da meia-noite (os mais novos da família tinham-se juntado lá em casa e houve brincadeira até mais tarde). Dormi bem e acordei por volta das 6:15h … depois de pequeno-almoço tomado, tal como estava programado, saí de casa com um t-shirt por cima da roupa de corrida (que seria para deitar fora depois do início da maratona) e um saco de plástico de tamanho gigante, com orifícios que o tornavam uma espécie de impermeável para utilizar caso chovesse nos meus percursos a pé até a corrida … também seria para me ver livre dele (nunca chegou a ser necessário). Apanhei o metro na Pontinha e tive que trocar na Baixa-Chiado. Não via ninguém com aspecto de participante numa maratona ou eventos associados (Bike tour e 5Km de corrida). No percurso até ao Cais do Sodré lá vislumbrei outros atletas. Algum receio que tinha de me ter informado pouco sobre o transporte para o Estoril estava dissipado… “Afinal estava orientado”, pensei… Chegado ao Cais do Sodré, como não era de Lisboa, optei por seguir os outros… e foi aí que estranhei os primeiros olhares de desilusão na consulta dos ecrãs que forneciam as informações sobre os comboios. Outro grupo perguntou ao segurança com respostas acompanhadas com reacções “estranhas”. Meti-me na conversa e a razão aí estava: só tínhamos comboio às 8 horas (eram 7:40) e este chegaria ao Estoril às 8:29 (o início da Maratona estava marcado para as 8:30). Colocámos a possibilidade de ir de táxi mas era incerto se o trânsito estava cortado e ninguém tinha dinheiro. O “pensamento” reconfortante foi o de que poderia haver um ligeiro atraso na partida… e tudo correria bem. O grupo que constituímos era eu, dois boxeurs (que não sei o nome) e o Rodrigo (que foi fazer os 5 Km). Conversámos um pouco e rapidamente estava na hora do comboio. Mantivemo-nos juntos e a viagem pareceu ser feita num ápice. De repente estávamos quase no Estoril e foi mesmo no comboio que fizemos os alongamentos a toda a rapidez (pensei que o pior era stressar… e tentei manter-me calmo). Chegado o comboio, ao longe avistamos o pórtico da largada e “pumm”… partida dada… subimos o Avenida Aida em passo de corrida, pelo passeio, cruzámo-nos com todos os participantes e rapidamente os assistentes da partida desmobilizavam quando a Rosa Mota nos avistou e pediu para esperarem. Assim foi, com o forte aplauso da Rosa Mota e do Carlos Lopes que iniciámos a maratona (os quatro do grupo que vínhamos juntos no comboio e um quinto elemento que vinha numa carruagem diferente da nossa). Eu, Rui Pena, fui mesmo o último a partir, cerca de 2 minutos depois de ter sido dada a partida (fiquei com a ideia que não houve leitura do chip porque a máquina estaria ligada… pelo menos o característico “piiiii” não se ouviu).

O início foi lento, muito lento mesmo, porque o importante era entrarmos na corrida. Mantive-me junto aos parceiros da viagem de comboio durante os primeiros momentos e depois aumentei um pouco o ritmo e fiquei apenas na companhia do Rodrigo até aos 5 Km – foi o meu primeiro parceiro de conversa em corrida (foi aqui que soube o nome dele – grande abraço se vieres a ler isto…). Quanto aos boxeurs, despedi-me deles dizendo que se calhar ainda me apanhavam lá mais à frente. E assim foi.Os primeiros quilómetros estavam sinalizados e fui percebendo que corria ligeiramente acima dos 5 min./Km. Era a companhia e a conversa que me arrastava para um ritmo ligeiramente lento (no meu plano teria que fazer 4:45 na primeira Meia-maratona). Procurei o meu ritmo, confortável e decidido. Não havia mais marcações da quilometragem! Estaria distraído? Olhava para trás e para a frente aos 30 min., aos 35 min. … procurava uma referência na quilometragem, mas nada. Mais um companheiro de corrida e conversa sobre tempos a que aspirávamos. Este acelerou para me alcançar… e depois outro… este segundo tinha GPS e disse estarmos com uma média por volta dos 5 min.. Eu tinha a sensação que ia mais lento que isso e tinha começado 2 minutos depois dele… Acabei por ter um acesso de lucidez e pensei que a conversa se estava a sobrepor ao ritmo e concentração que queria ter… Desejei boa prova e aumentei um pouco o ritmo… Houve um período em que conversei menos para não ficar retido. Foi passado um bocado que acabei por ficar ao ritmo de dois colegas “mais experientes”, um deles com mais de 20 maratonas e 64 anos… Falava muito… mas iam para as 3:30 – 3:40… O ritmo deles era bom para mim e deixei-me ficar com eles. À Meia-maratona tinha 1:46h, acima do que eu esperava, mas já começava a sentir que não podia aumentar o ritmo porque ainda faltava outro tanto. Aos 25 Km tinha 2:05h, mantinha-me com o mesmo grupo, agora acompanhados por dois runners que estavam a fazer a sua corridinha matinal numa parte do percurso da maratona. Pensei que o ritmo deles era mais forte do que o meu e estava a pensar deixar-me ir ao meu ritmo.

Fui religioso nos abastecimentos líquidos (todos os 5 Km, só água) e na alimentação de sólidos (barras energéticas e gel que trazia comigo, em pequenas porções antes dos líquidos). Aos 25 Km avisto o primeiro grupo de apoiantes minimamente organizados. Era a Beta (minha companheira de vida), o meu filho Xande, a Filomena e o Pedro, que passavam por uma autêntica claque … Já tinha pensado neles, mas foi muito reconfortante vê-los.



Nessa altura pensei que até ali não tinha avistado outros apoiantes que não corredores que iam felicitando e incentivando quem estava na corrida… e um ou outro olhar que aguardava o avistamento do respectivo familiar-corredor. É claro que isto assim escrito pareceu solitário, mas houve a conversa entre corredores… e o percurso… No final da prova haveria de ser questionado sobre a beleza do percurso (?), mas era das conversas, dos rostos dos parceiros, dos transeuntes, dos momentos de concentração na passada que mais me lembrava. Engraçado que agora que escrevo tenho na memória, de forma muito clara e intensa várias paisagens que fui (percebo agora) registando intensamente com o mar, as praias, os jardins e edifícios de vários e diferentes momentos do percurso …

Depois dos 25Km tive que urinar … e larguei o meu grupo. Quando retomei a corrida achei que poderia voltar a alcança-los, mas comecei a ser alcançado por atletas que anteriormente tinha ultrapassado. Continuava sem ter as referências dos quilómetros e achei que estava em quebra. Estávamos na baixa e foi aqui que vimos algum apoio dos transeuntes (mais dos turistas, é claro)… Como ainda era cedo, comecei a pensar em poupar-me. Aos 30 Km tinha aproximadamente 2:38h e achava que estava a “passar pela parede dos 30 Km”. Procurei aumentar o ritmo e seguir uns parceiros. Ainda assim fui, mas a quebra a sério ainda estava para vir, por volta das 3 horas de corrida e não consegui recuperar mais. Havia uma bolha no pé direito que me incomodava. Antes da prova cheguei a pensar que poderia fazer 3:30, na Meia-maratona duvidei muito disso, agora sabia que não chegaria lá, mas também nunca foi algo que perturbasse as minhas passadas. O objectivo era chegar ao fim e, mesmo sem saber por quanto, ao certo faria melhor que da minha primeira vez… Não fazia contas, nem tinha cabeça para isso… Lá revi colegas com quem antes tinha conversado e que agora passavam por mim… voltavam os cumprimentos e os desejos de “boa prova”…

Tinha comigo uns comprimidos de açúcar que comecei a tomar nesta altura, por volta dos 35 Km (imaginava eu, porque nem a sinalização aparecia, nem o tempo, agora, me dava boas orientações). De repente, com meio comprimido de açúcar na boca, seca, seca, seca, vejo escrito no chão a spray branco “35 Km” e, logo a seguir, “ABST” … O meu pensamento foi que estavam a falhar os abastecimento dos 35 Km, “logo o dos 35 Km”… e eu com meio comprimido de açúcar na boca a sugar-me a saliva até às entranhas! Olhei para o fundo daquela longa recta para ver se avistava o abastecimento (outras vezes tinha acontecido ver a referência a spray no chão e este estar 100-200 metros mais à frente)… mas nada. Olhei para trás para ter a certeza de que não o tinha passado. Ainda por cima estava praticamente sozinho, sem ninguém atrás ou à frente. Deitei fora o resto do comprimido e roguei umas pragas… Esqueci… Segui caminho, como podia e com a firmeza que podia… Pouco depois, meio escondido numa curva, lá estava o abastecimento. Como ia lento… e havia “um abastecimento só para mim”, pedi “duas águas… uma com tampa por favor”… parecia que estava no café. Recebi as águas, agradeci, não me pediram nada em troca, bebi a primeira, guardei a segunda e segui a minha odisseia… Aproximava-me do Parque das Nações onde sabia que estaria novamente a minha família … só pensava nisso, não havia tempo, dores, bolhas na minha cabeça… era uma grande alegria poder voltar a vê-los agora que os momentos eram tão difíceis. Lá estavam, agora com a companhia da Ana, do (outro) Pedro e da pequena Ana Rita… De tão contente que estava nem me apercebi que estava num empedrado, terrível, que iria durar mais 4 Km. De facto nem sabia que eram mais 4 quilómetros. Tinha 3:22 horas de corrida e o meu pensamento era que teria que seguir até ao fundo e voltar… depois já estava. Do lado contrário procurava os meus conhecidos (companheiros das conversas iniciais que me tinham ultrapassado) … ao cruzar-me com eles lá me foram dizendo que tinha uma “rotunda mais à frente… e com abastecimento” e que “estava quase”. Lá fiz a rotunda e pouco depois avistava o pórtico da meta… Houve um novo ânimo, voltei a ver a marcação da quilometragem no chão (41 Km), não me recordo do tempo que levava, mas pensei que faria abaixo das 3:50… Segui firme porque sabia que teria a minha família à espera, ali na primeira linha do público, em posição absolutamente privilegiada para me verem e para eu sentir o seu animo, acabei a olhar para eles, feliz…


4 comentários:

Pedro Alves disse...

olá,

Muito na 2ª maratona ficar em 77º lugar.

Boas corridas

Rui Pena disse...

Boas Pedro...

77º parece mesmo muito... mas foram cerca de 120 os que chegaram ao fim... E houve parceiros que chegaram antes de mim e era a primeira, outros que fizeram a 4ª e 5ª e chegaram depois de mim - acredito que as sensações de prazer tenham sido semelhantes para os que chegámos ao fim. Como tu sabes, porque também és desportista, isto é muito fisiológico. E depois, tu sabes bem: uns mais metódicos, outros intuitivos, uns sem saber bem para o que vão, uns mais solitários, outros indecisos, outros em grande cavaqueira... o que importa, sempre, é no final o prazer do feito.

Grande abraço e obrigado pelo fim-de-semana (para a Filomena também, é claro)... Olha que tens perfil para tirares prazer das maratonas :) - ténis já tens...

Mark Velhote disse...

Viva Rui

Parabés por este relato! Dá para sentir a emoção de completar a Maratona e compreender a dureza desta prova !
Gostei bastante!
Nunca mais chega Novembro (Maratona do Porto)!


Grande abraço

Mark Velhote

MPaiva disse...

Rui,

Agora que tomo conhecimento deste blog quero dar-te os parabéns pela prova que fizeste em Lisboa e pelo resultado alcançado.
O bonito do atletimo (popular) é que todos podemos ser campeões, bastando para isso que consigamos alcançar os nossos objectivos e que nos sintamos bem!

abraço e espero que nos encontremos na Maratona do Porto!

MPaiva