terça-feira, 9 de novembro de 2010

A explicação… existirá?

Algumas palavras...

Esta maratona do Porto era para mim um momento para arriscar… terei vivido a coisa com alguma expectativa (mais exagerada) e com alguma ansiedade (principalmente porque treinei muito e achava que deveria fazer uma boa marca).

Mas relativizei no dia da corrida, principalmente porque passei três dias com dor de cabeça que na véspera, no Sábado, se prolongou pelo resto do corpo (mal estar geral), por ter deixado de tomar o Ben-u-ron … (quase toda a família andava constipada…). Como se isso não chegasse, o meu filhote mais novo vomitou nesse Sábado à noite (está com gastroenterite vírica… e, hoje, todos cá em casa…), o que implicou menos tempo para dormir e por várias vezes lá acordei para o voltar a ajudar a dormir…

No entanto, na manhã da Maratona, não sentia cansaço ou dores de cabeça e acho que isto não me perturbou nada, nem me retirou stress do corpo… mas o meu pensamento era de que só queria mesmo ir fazer a maratona e chegar ao fim. Depois nem estava a pensar muito na coisa e lembro-me de me "passar pela cabeça em me deixar levar"… Desconfio que isto, "de me deixar levar", não ajudou nada. Acabei por menosprezar o ritmo mais calmo... assim como não tive o devido cuidado com a hidratação e alimentação (a partir da meia maratona deixei de ingerir gel porque o estômago já não o aceitava). No entanto, senti-me sempre com “margem para dar mais”. A altura em que acho que exagerei mesmo nos ritmos, foi a caminho da Afurada (meia maratona), sendo que tentei seguir um colega que ia um pouco mais rápido. Depois da meia maratona, abrandei para me tentar poupar para os 30 Km… mas tinha um sentido exagerado nas 4:45 (e assim...).

A caminha dos 30 Km, sentia-me forte apesar da redução do ritmo (para os 4:50) que era controlada, pelo menos assim a percepcionava. Mas pouco depois dos 30 Km, o GARMIN marcava 5:10… e pensei em retomar os 4:50… mas já não dava (!!). Sentia-me com capacidade, com cabeça, as dores não eram nada de mais, mas não dava! Depois continuou a cair o tempo com o passar dos Kms… Ainda pensei em seguir algumas pessoas que me iam ultrapassando, mas não dava. Pensei que iria para as 3:25 e deixei-me seguir… mas, de repente, estava novamente com o ritmo a decrescer 5:40 … Comecei a pensar que teria que fazer os 5 Km finais abaixo dos 6:00 para ficar abaixo das 5:30… mas mesmo isso (!!!) não dava… acabei por me deixar levar mais lentamente nos últimos 2 Km.

Como referi no post anterior, não fiquei triste e agora vou ter que remediar a coisa para Lx. Quero ter um final mais confortável porque para o ano só haverá IM … Agora, recuperar deste empeno vai demorar uns dias…

Abraços para todos os companheiros,

Rui

8 comentários:

António Almeida disse...

Olá Rui
apesar de tudo muitos parabéns pois pelo que trei percebido foi a tua melhor prestação (digo tempo) na distância.
Acreditava que farias melhor.
Lisboa é uma maratona mais selectiva já que tem algum sobe e desce e uma parte final sempre a subir, ainda assim poderás fazer sub3h30, acho...
Grande abraço.

Pedro Brandão disse...

Grande Rui. Estiveste muito bem acredita. Tudo isso faz parte das contingências dos atletas como nós que temos que viver com tudo o resto para além do desporto. Todos nos somos uns verdadeiros herois por andarmos nestas coisas e cada vez a treinar mais. Muitos parabens e um grande bem haja a pessoas como tu.

MPaiva disse...

Rui,

Sem darmos por isso, aos poucos parece que estamos completamente dominados (será obcecados???) por quebrar esta barreira das 3h30m e a ânsia de lá chegar é tanta que não conseguimos controlar os ímpetos iniciais da prova.
Creio que o elevado ritmo inicial e o desgaste que isso causou terá sido a principal causa da quebra final que sentiste.
De qualquer forma, é sempre mais uma maratona e uma melhoria no record pessoal, pelo que tens todas as razões para ficar satisfeito.

abraço
MPaiva

Ricardo Baptista disse...

Pena,
Força com essa recuperação para a maratona de Lisboa.
Pode ser que nos voltemos a encontrar.
Boas corridas.

PGomes disse...

Boa recuperação, Rui.

O pacing é uma verdadeira arte... a corrida de longa distância um acto de auto-conhecimento e coragem. Nem sempre se acerta... mas é com os erros que se aprende alguma coisa.

Bom, basta de "metafísicas". Pelos comentários que vi noutros blogs houve muita gente com dificuldades na parte final.

Vitor Veloso disse...

Ola Pena,
Força amigo, voltamos a encontrar em Lisboa, para mais uma Maratona.
Boa recuperação.
Abraço
Vitor

Rui Pena disse...

Amigos,

Mais uma vez obrigado pelas palavras... a recuperação vai devagar... mas vai...

Para quem vai à Nazaré, até ao fim-de-semana...

Rui

Anónimo disse...

Boas....

Não desanimes, nesta maratona melhoraste o teu record, num ano em que tiveste imensas provas diferentes com um excelente desenpenho e ainda te propões a mais até ao final do ano.

Na revista de Atletismo deste mês anunciam um novo percurso para a maratona de Lisboa, mais fácil, alteraram entre outras coisas os últimos kilometros, que o ano passado foram terriveis, o que é bom e permite um bom tempo.
Espero é que isso seja verdade porque no site da prova ainda têm o mesmo percurso.

@braço
Nelson