segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Relato da 6ª Maratona do Porto

Um dia depois da 6ª Maratona do Porto, a sensação de realização está a começar a desvanecer-se perante o desejo de trabalho para os próximos desafios. Apesar de continuar imerso em trabalho e prazos para cumprir, só penso na recuperação para voltar aos treinos… (convém que o diga, também já estou contagiado com o Natal, o que me voltou a acontecer desde que fui pai, sendo que se aproxima a repetição desta sensação, o que me deixa ainda mais entusiasmado).

Mas vamos à maratona.

O que antecedeu a maratona:
Dormi bem, acordei bem e tomei um belo pequeno-almoço: cevada (uma grande malga), pão branco com mel (comi mais que o normal sem ficar enfartado). O meu intestino é um relógio e ontem estava certinho… O plano preparado na véspera foi executado quase automaticamente, sem qualquer stress. À saída de casa levava comigo bebida energética e água, para hidratar antes da partida. Tinha um encontro marcado para as 8h, com um primo meu e um colega (eles correriam os 14Km), junto ao Parque da Cidade. Enquanto os esperava, ainda troquei umas palavras com o Mark Velhote, que me pareceu mentalmente forte e descontraído q.b.. Entretanto, o meu primo tinha-se deixado dormir, mas como estava com tempo, nem isso me stressou… Lá apanhei o autocarro e fui para a partida. Foram muitos os bloggers com quem me fui cruzando, cumprimentando, sempre contente por os rever… mas o meu foco já era a maratona. Fiz as “devidas necessidades” e ainda reencontrei um companheiro de parte da Maratona Carlos Lopes de Maio passado, com quem revivi alguns dos momentos que passámos. No meio disto tudo, quando se aproximou o momento de partida, optei por estar mais perto dos companheiros bloggers do que sozinho, mas também não combinei nenhuma estratégia com ninguém, nem era a minha intenção, porque queria estar muito atento ao meu corpo… seria ele a ditar o ritmo a que iria.

Partida…

A maratona:
O primeiro quilómetro foi lento devido a subida mais acentuada da corrida e porque tive que serpentear por entre alguns corredores mais lentos que tinham partido à minha frente. Nada de problemático porque a Avenida da Boavista rapidamente me colocou a um ritmo próximo dos 4.35/Km. Nesta altura comecei a ter um companheiro blogger por perto, o Ricardo (ora um pouco à frente, ora um pouco atrás). Acrescentámos mais algumas impressões sobre as nossas pretensões (já tínhamos conversado antes de partirmos), que estavam entre as 3:30 e as 3:45.Disse-lhe que ele ia ser uma referência para mim, mas a minha intenção era não seguir outros corredores… apenas o meu corpo. E foi depois do Km 6 que o meu corpo me disse que tinha a bexiga cheiinha. Ora bolas! Lá teve de ser, mesmo depois de ter tido o cuidado de a esvaziar antes da partida!!! Não tive dúvidas, valia mais agora que mais tarde porque ainda estava a aquecer… O tempo que perdi, afastou-me do Ricardo até ao fim. Acho que ele nem se apercebeu da minha paragem porque no retorno do edifício transparente ele pareceu ficar surpreendido com o meu atraso. Nada de mais, só tinha que gerir o esforço (pensava para comigo) e não me precipitar em tentar voltar a alcançar o Ricardo. Segui o meu percurso solitário, mas ao Km 10 tinha o meu amigo André à minha espera (de bicicleta), que me daria todo o apoio de que necessitava…
Passei pelos 10 Km com cerca de 48:30h, mas sempre confortável. Depois do Passeio Alegre, e já na companhia do André, passou por mim cerca de 15 corredores (em grupo) que me convidaram a seguir o ritmo deles, que era de 5min/Km. Ainda apanhei boleia por um par de quilómetros, mas, voltou a assolar-me o pensamento da gestão do esforço… e segui o meu ritmo. Ainda demorou bastante tempo a perder de vista este grupo, praticamente só no retorno da Afurada… mas eu ia ao meu ritmo.

A ponte Dom Luís tinha um dos pontos mais excitantes da corrida. Tratava-se de um sítio em que o público poderia acompanhar os amigos e familiares em vários momentos da corrida: aproximadamente aos 14 km, para quem ia para a Afurada; aos 25Km para quem já estava a caminho da Ponte do Freixo; e aos 32 para quem seguiria pelo túnel da Ribeira em direcção à meta. Ora, a festa era enorme, com muito apoio, muita força dada pelos espanhóis que não olhavam a nacionalidades… era claro que eles percebiam que o que eles nos estavam a dar significava muito para nós. Para mim, foi sempre bom passar por este local.

Nesta altura a alimentação à base de gel continuava a seguir o esquema que tinha predefinido (90 a 180 Kcal por cada 5 Km). O meu amigo André passava-me o gel, dava-me bebida energética e fazia-me companhia…

Antes da meia maratona concentrei-me nos companheiros bloggers que seguiam à minha frente, que já vinham da Afurada e aos quais tentei dar um palavra de incentivo. O Ricardo, a minha referência, lá ia ligeiramente à minha frente. À meia maratona tinha aproximadamente 1:45h. Estava com um ritmo melhor do que o que esperava… mas estava bastante confortável. A tentação de manter o ritmo de 5min/km assolou-me, mas o pensamento que mais tinha treinado era o da gestão do esforço… e assim fiz, contive-me e um pouco acima desse ritmo e segui para o Freixo. Continuava confortável, mas com o aproximar dos 30 Km perscrutava o meu corpo à procura de “um sinal”. Sento várias pequenas dores e desconfortos na fase inicial, mas tudo tinha desaparecido pouco tempo depois. Continuava confortável. No retorno do Freixo, tinha o António Almeida mesmo atrás de mim. Já tinha dado conta dele ligeiramente atrás nos outros retornos, mas a qualquer momento ele estava ao meu lado. O meu ritmo era um pouco superior aos 5min/km e com o António Almeida chegava aos 29Km. Comecei a achar que “o sinal” estava por aparecer… e decidi seguir o ritmo do António Almeida (não fiz o que tinha previsto, pois tinha planeado abdicar da gestão de esforço aos 30Km se me sentisse forte, mas estava a fazê-lo 1 Km antes).

Entrei nos 30Km com pouco mais de 2:30h. Eram os 30Km mais rápidos que tinha feito. Nunca um treino de 30Km demorou menos que 2:35h, tão pouco nas 2 anteriores maratonas tinha alcançado esse tempo nesta fase da corrida. Mas o melhor, era a força com que me sentia. Ainda me questionei se teria sido a alimentação (até aos 30Km consumi cerca de 600kcal de gel), da chuvinha refrescante (?) … rapidamente voltei para a prova e deixei as explicações. Já próximo do túnel da Ribeira sinto o Almeida com um ligeiro abrandar, mas eu continua confortável. Acabei por me deixar levar pelo meu ritmo até ser alcançado por dois maratonistas que vinham num bom ritmo e que decidi seguir. Não troquei uma palavra com eles, nem era necessário, estávamos ali para o mesmo e juntos conseguíamos mais. Foram a minha companhia num ritmo que iria cair aproximada- mente nas 3:32h, mas aos 37,5Km comecei a sentir-me a fraquejar. Deixei seguir estes dois companheiros e fui ficando para trás deles. É certo que nunca foi muito difícil, afinal de contas já estava em plena Rua do Brasil, bem próximo do ponto de encontro com a minha família, no edifício transparente. Fui-me distraindo com essa ideia, não forcei muito, mas já não segui o ritmo forte com que estive nos quilómetros anteriores. Depois do reconfortante encontro com a minha mulher e filho, deixei de ter foco mental e tentei reatar um ritmo forte, mas já não deu para grande coisa. Foi a altura em que mais senti o André a tentar apoiar-me, mas eu estava noutro mundo… (obrigado para ele). Controlei o tempo aos 40Km e aos 41Km e estava convencido que baixava das 3:35h … mas isto são 42Km e...195m e nem sprintei…

3:35:08 foi excelente para mim… Mas, acima de tudo, esta foi a maratona que me deu mais prazer, foi a maratona em que senti ter a corrida controlada, ou melhor, em que aprendi que é possível ter esta corrida minimamente controlada. Há desafios que tenho na minha vida que passam por ter confiança em enfrentar esta distância.

Hoje já tenho essa confiança.

8 comentários:

António Almeida disse...

Companheiro
pena que não tive pernas para seguir contigo mas foi-me bem útil ir no teu "rasto", depois lá saltámos (à vontade) o muro (mas qual muro)...
Parabéns mais uma vez e envia-me por favor a foto em que estamos.
Boa recuperação.
Grande abraço.

MPaiva disse...

Rui,

Este relato mostra uma capacidade de gestão do esforço notável. Por mais que estejamos mentalizados de que devemos seguir a determinado ritmo, a verdade é que, na prova, acabamos por nos deixar levar por impulsos repentinos, pelo andamento de amigos, etc.
A tua capacidade de autocontrolo foram determinantes para o excelente resultado alcançado e, acima de tudo, para teres terminado a prova em boas condições.

abraço
MPaiva

Ricardo Baptista disse...

Então foi isso. o xixizinho...
Mas foi uma grande Maratona, para todos.
Boa recuperação.
Depois conto o meu relato, agora ando aqui as voltas para ver se meto tudo em dia.

José Alberto disse...

Parabéns pelo magnífico resultado conseguido e também pelos excelentes relatos.

Cruzei-me consigo e com o António Almeida, vinham já vocês do Freixo.

Dei uma palavra de incentivo ao António. Segundos depois é que me apercebi de que seria o Rui (nunca estive pessoalmente consigo, daí a minha dificuldade em o reconhecer de imediato). Ainda disse "força Rui", mas já não deve ter saído a tempo.

Continuação de bons treinos.

Abraço

José Alberto

Mark Velhote disse...

Olá Rui,

Grande prova enfrentada com confiança e garra. Muitos parabéns pela qualidade do relato que está fenomenal também.

Um grande abraço e obrigado pelas dicas antes da partida!

Abraço

Mark

ps:A tua última frase deixa-me super curioso...vamos ter novidades em breve? :D

Rui Pena disse...

Obrigado a todos pelas palavras...

Oh Velhote! Olha que se não fosse a malta dos blogs (tu também) eu não tinha conseguido isto... são as leituras que faço que me ajudam a compreender melhor o que é correr.

Abraço,

PS: Ainda não é em 2010 que vou enfrentar a "distância"... vem ai um novo filhote e estou convencido que vou ter que reduzir o tempo de treino. Talvez invista, para já, na distância Olímpica... Tenho que ir num ritmo em que o mais importante não passa para segundo plano.

Abraço,

Rui

João Paulo Meixedo disse...

Excelente prova e excelente tempo, Rui. Mais um Cyber Runner em grande.
Um abraço.

RuiRuim disse...

Belo relato!
vou fazer a meia de lisboa...