domingo, 22 de novembro de 2009

Treino longo na 1ª Maratona BTT de Aveiro… 98Km


Fui hoje a Aveiro para retomar o BTT. Estou numa fase em que tenho de começar a fazer algo para evoluir no ciclismo. Optei por ir a esta maratona porque sempre que fiz BTT adorei e representa sempre um excelente treino de técnica de utilização da bicicleta, porque, especificamente esta, tinha uma fase final de cerca de 40 Km muito rolantes, o que me permitiria fazer um bom treino de endurance (forte) e porque a minha cunhada esteve o fim-de-semana com a minha mulher (nunca se sabe… já estamos nas 37 semanas e tudo pode acontecer…).

Não vou alongar-me muito neste relato, porque de facto foi um treino… Como houve partidas separadas (havia também uma meia maratona de 45 Km e um passeio de 25Km), rapidamente me integrei num grupo com um ritmo semelhante ao meu. Fui ao chão duas vezes no primeiros 20 Km, uma delas bem no meio de um grande charco de água que se acumulara na muito enlameado terreno circundante das margens do rio Vouga. Nada de mais… O grupo inicial foi-se separando. Uns ficavam para trás e outros para a frente. Mas segui sempre com gente com um ritmo semelhante ao meu. Foi nas subidas e descidas mais técnicas que as minhas dificuldades vieram ao de cima. Desde Junho (Volta aos Mecos) que não fazia BTT e até parece que desaprendi. Logo depois das eólicas das Doninhas (ponto mais alto do percurso) estive a ajudar um par de companheiros que precisavam de uma bomba de ar… mas a minha também não ajudou muito. Perdi bastante tempo… e acho que me deixei ficar por lá porque estava com algum receio da longa descida…

Quando o percurso ficou rolante, a muita lama fazia-o difícil. Mas foi aqui que mais me esforcei pelo meu treino. Ainda me perdi e quando regressava para as últimas marcações, outro companheiro que vinha na minha direcção (perdeu-se no mesmo sítio) … garantia-me que era por ali. Nem questionei muito, mas entre procura das fitas das marcações e telefonemas para a organização, que estavam desligados (a organização foi mazinha), acabámos por perder cerca de 15 min. (fomos um pouco aselhas).

Voltamos para trás, lá encontrámos o percurso e, depois disto, sempre a rolar, havendo umas zonas mais técnicas no final (incluindo algumas descidas) que acabei por fazer sem o travão traseiro… !!
Acabei ao fim de cerca de 5:50h, com o meu ciclo-computador a marcar 98,6Km…

Mais uma vez chego à mesma conclusão: adoro BTT… e acho que é da adrenalina… Ainda não percebi como é que ainda não dei um valente tombo naquelas descidas tresloucadas.

Isto do BTT acrescenta técnica às minhas capacidades, mas a partir de agora vou concertar-me mais na minha preparação para a bicicleta de estrada. De facto, é muito diferente o trabalho que tem que ser feito. No primeiro caso a técnica e a capacidade a subir e descer é decisiva, havendo grandes variações no esforço feito numa prova de BTT. No caso da estrada, o pedalar tem que ser constante, sendo a elevada cadência e potencia o que nos faz andar a ritmos fortes 1, 2 ou mais horas…

3 comentários:

Mark Velhote disse...

Olá Rui

Boa prova (treino).Quase 100K de adrenalina é para campeões!
Gostei de ler porque tb queria começar a treinar bicicleta.

Abraço

As Minhas Pedaladas disse...

Não há dúvida que andar de BTT com alguma frequência ajuda na técnica. Tenho reparado que a bicicleta de estrada me tem ajudado nas subidas por causa da cadência, uma maior cadência ajuda bastante a fazer aquelas pequenas subidas rápidas!
Gostei da descrição!

MPaiva disse...

Rui,

Muitos parabéns por mais uma aventura, desta feita regada com boas doses adrenalina e... lama!

Um abraço e até Paranhos!
MPaiva