domingo, 22 de março de 2009

Meia-maratona de Lisboa foi belíssima ... (1:42:10)


Pois não consigo dizer outra coisa desta Meia-maratona: belíssima. É espectacular atravessar a Ponte 25 de Abril a correr e olhar toda a Lisboa lá do alto. Nem a neblina de hoje, lhe escondia a sua matriz marítima e sulista. O seu ar portentoso, lá do alto, ofuscava a festa dentro dela, com toda a gente entusiasmada com a caminhada, com a Meia maratona ... foi muita a gente que foi para a ponte.

Havia gente ao longo do trajecto, mas eram poucos. Mesmo assim, eram entusiastas que lá iam gritando "força Ricardo" e, de seguida, "anda lá Maria". Foi nos últimos 500 mts que, aí sim, o aglomerar de gente, que tinha acabado a caminhada e foi esperar os familiares da Meia maratona, formava uma massa que parecia dar uma grande dimensão aquela chegada... talvez por isso tenha sido o único momento em que consegui puxar um pouco mais por mim :).


Mas a organização teve falhas que não me parecem normais numa meia maratona internacional, de grande dimensão. Na tenda onde levantámos o dorsal e nos boletins informativos fomos avisados da necessidade de ter 15 min. para percorrer a distância a pé entre o Pragal (estação) e o local de partida. Só não contávamos com o afunilamento dos participantes na caminhada por uma minúscula saída para o acesso à ponte (é que se acelerassem a saída destas passagens o descongestionamento era muito mais rápido... mas foi tudo espontâneo). às 9:30 horas estava a sair da estação do Pragal e às 10:20 a chegar à ponte. A outra questão que me levantou dúvidas foi a distância (injustificada?!!) entre os atletas "amadores de top" e os de "pelotão" (estranho mesmo foi porque os elite nem sequer estarem na ponte... Então para que foi aquela distância a separar pequenos grupos? Porquê os cerca de 250 mts que separavam os atletas? É que depois da largada tivemos que correr este espaço para chegarmos à partida?!?!

Quanto à minha prestação, ficou aquém do que esperava. Mas, hoje não estava 100% para ali virado... e assim se percebe como a mente é tão importante nestas coisas. De véspera colocava a hipótese de fazer a corrida numa lógica mais calma, em ritmo de treino. Antes de partir, pensei outra vez no mesmo e aos 10 Km, com 45:30, novamente o mesmo pensamento. Nos quilómetros seguintes fiz várias tentativas para arrancar... nenhuma saiu. Acabei por ir num ritmo que até poderá vir a ser o ritmo da Maratona... vamos ver se dá para algo deste género....

Para a semana vou estrear-me num Duatlo. Matosinhos.

1 comentário:

Mark Velhote disse...

Olá Rui,

Parabéns pela presença e pela prova!
Tive alguma pena de não ter ido, mas fica para a próxima!

Boa sorte para o Duatlo de Matosinhos!
Vou tentar marcar presença como espectador para ver se aprendo alguma coisa! :D

Abraço