domingo, 25 de abril de 2010

Sem espinhas… 5:14h…


Já está.

Foi a minha estreia na distância Half Ironman e não podia ser melhor. Nunca tive tanto prazer numa prova, uma vez que tive tempo para contemplar o Oceanário da perspectiva da água, o rio Tejo à chegada a Lisboa, na bicicleta, e gozar o apoio do público na corrida… A minha mulher até acha que estou a exagerar, mas fiz a prova toda a gerir o esforço, em ritmo de endurance, sem nunca chegar a “sofrer” para dar uma braçada, uma pedalada ou uma passada.

Na perspectiva de chegar ao fim a tentar não passar mal, tinha programado fazer tudo no tempo de 5:30h (40 min. para a natação + 3h para a bicicleta + 1:50h para a corrida, incluindo as transições) … e ganhei tempo em tudo.

Mas isto tem uma explicação simples… antes da prova (mesmo a semana anterior) andei nervoso que até metia dó… PPM altas (antes da prova cheguei a ver o meu Garmin marcar mais de 140…), estava com muito receio… que me fez pensar que só podia ir com CALMA… e assim fiz. Geri, geri, geri… e resultou bem.

Na natação nunca me senti cansado, fui sempre relaxado e até tive o cuidado de tentar ser racional na utilização da técnica (e realmente resulta muito bem). Não forcei nada (o Luís Ferreira, meu companheiro da AASM, disse-me para fazer a natação com muita calma…). Para além disso, optei por me orientar pelos outros atletas, seguindo sempre com um grupo… Só no último 1/5 da prova isso não aconteceu (e aqui terei perdido tempo desnecessariamente, pelo ziguezaguear em que acabei por ir) o que foi, mais uma vez, uma sensação menos boa… No entanto, estava cá fora com menos de 38:50 min., para mim, bom.

A T1 foi demorada… calçar meias, calçar sapatos de encaixe… 3:31min..

A bicicleta foi gerida pelo Garmin, ou melhor, pela monitorização cardíaca. Fui sempre entre as 145 e as 158 PPM, sem “sofrer”, e com o pedalar o mais constante possível. Tinha uma subida acentuada no meio de cada uma das voltas (eram 4 voltas), mas nem aí me esforcei muito. Na descida, aproveitava para descansar… Fui controlando o tempo que fazia a cada 10Km… Estive quase sempre no parcial dos 18 min., excepto por duas vezes, uma vez na casa dos 19 min. e uma outra na dos 17 min.. Quer isto dizer que fui sempre a uma velocidade superior aos 30Km/hora, que significava que faria o segmento de ciclismo abaixo das 3h… Não era permitido “andar na roda”, era tipo Contra Relógio… e assim fui, mas havia muitos grupos… Eu circulei próximo de malta que acabou por se juntar na 3ª volta e, claramente, pelo cansaço, houve gente que se colou (literalmente) à roda de outros e foi rebocado… Mas nós estávamos lá atrás, porque me pareceu que à frente também se fez o mesmo… Acabei este segmento com 2:44:35.

Depois vinha uma Meia-maratona… Se até aqui fui sempre a gerir, teria que fazer o mesmo na Meia-maratona. Assim, mal sai do parque de transição (T2 = 1:38), quando ia a um ritmo inferior a 4:30 por Km, meti travão no ímpeto… Era muito rápido e abrandei logo. Fui calmo, sem querer saber de quem me ultrapassava. Seguia em torno dos 4:45… mas, com o passar dos quilómetros ia abrandando. Não chegava a sentir-me fraquejar, unicamente, deixava-me levar num ritmo confortável. Curti muito, mesmo muito… e apenas no início da 3ª volta pareceu estar a vir qualquer coisa que me “queria mal”… mas abrandei logo (de 5:15 para 5:40). Passou… e recuperei um pouco. Foi assim até ao final. O parcial de corrida foi feito em 1:45:58 (mas ainda faltava pouco menos de 1Km para a Meia-maratona = 20,2Km)…

FINAL= 5:14:34 … e sentia-me tão bem! Nunca acabei uma maratona tão fresco… Já fiz várias Meias-maratonas em que estava em pior estado. Até treinos fiz em que fiquei pior. Tive um prazer do caraças… O que tinha corrido mal no planeamento deste fim-de-semana foi mesmo o facto dos meus familiares se terem ausentado de Lisboa (razões iguais às minhas)… e o meu núcleo familiar não estava ali. Voltei para São Mamede de Infesta porque eles não me saíam do pensamento…


Abraço para o Luís Ferreira pelos conselhos que me foi dado (no final vim-me embora sem me despedir, mas nem sabia que não o ia ver mais)…

Abraço também para os bloggers que reencontrei… o triatlo é muito, muito fixe.

7 comentários:

PGomes disse...

Muito, muito bem!

António Almeida disse...

Grande, grande Pena.
Muitos parabéns.
Abraço.

MT disse...

Muitos parabéns! Foi de facto o tempo óptimo e quem acaba uma prova destas é um herói. Usaste muito bem a cabeça o que nem sempre é fácil. Abraço!

sica disse...

Passo a passo o quadro vai-se compondo, agora só falta o último desafio, que com paciência e persistência também será superado.
Até Coimbra e bons treinos.

Ricardo Baptista disse...

Desafio superado!
Grande Rui, boa prova. Eu ando a ver se consigo interiorizar esta gestão do esforço, mas não é fácil. Apesar de a quem lê o teu relato parecer fácil.
E o quadro das competições está quase quase todo preenchido...
Parabéns.
Um grande abraço.

J. Fernandes disse...

Fantástico Rui.
São momentos como este que viveste que nos enche de vontade para sair de casa e treinar.
Grande abraço

Rui Pena disse...

Obrigado a todos...

Ainda bem que correu bem... acho que o nervosismo anterior à prova refreou algum ímpeto que poderia ter sido negativo.

Vamos ver como corre (sem nervosismo)em Aveiro, São Jacinto (30 de Maio) ... inscrição 15€, já estão abertas.

Abraços,

Rui